29
dez
09

MARKETING VERDE: UMA NOVA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA AS EMPRESAS

Por: Adeilton Sousa, Fabiana Alencar, Gislayne Feitosa, Jankley Soares, Kaline Batista

Com o advento da Revolução Industrial, as empresas que surgiram passaram a produzir em massa, de forma que não observavam as necessidades dos consumidores, já que, também, não havia tantos concorrentes e o grau de instrução da população era baixo.

Todavia, ao longo da história, a ação das corporações passou a interferir drasticamente, de forma negativa, no ambiente. E, com isso, causando males nos padrões de vida das pessoas. Indivíduos esses que, ao longo do percurso de industrialização, as empresas tentaram atender a várias de suas necessidades, para ganhar mercado. No entanto, como não havia estudos que comprovassem que as atividades desenvolvidas pelas empresas causavam danos ambientais, tais indústrias não se preocupavam com esse tema.

Mas, com o passar do tempo, através de vários estudos e maior grau de instrução por parte dos consumidores, ficou evidente a relação entre as atividades empresariais e os impactos ambientais, bem como, os danos à população a sua volta.

Após longos debates sobre tais questões, ficou evidente que deveriam haver mudanças, porém, as empresas e governos julgavam que as medidas necessárias em relação às questões ambientais trariam limites ao crescimento econômico e aumento de custos. Todavia, com a comprovação de que as ações anteriormente exercidas por grande parte das empresas estariam colocando em risco a sobrevivência dessas organizações, por limitar os recursos necessários para que elas produzissem e, assim, ou elevasse o valor necessário para a aquisição dessas mercadorias, ou, as tornasse indisponível, fez com que elas atentassem para tais problemas. Bem como, a maior preferência por parte dos consumidores por produtos que respeitassem o meio ambiente.

As organizações estudadas, após se conscientizarem dos fatores acima descritos, e, também, com problemas de imagem que as empresas viriam a ter, caso continuassem a agir como faziam, fez com que elas mudassem suas atitudes. Isso foi feito para acompanhar as tendências de um mercado crescente de clientes, governos, fornecedores e concorrentes atentos à questão ambiental. Como exemplo, pode ser percebida a chegada à liderança do mercado mundial pela Toyota, após cerca de setenta anos de presença da General Motos nesse posto. Pois, esta empresa não atentou para a questão ambiental, julgando que os consumidores não mudariam seu modo de pensar e, com isso, não mudariam, seu padrão de compra. Atitude fatal para empresas que atuam em setores tão competitivos e de inovações, cada vez mais, velozes.

As companhias que possuem a preocupação em atuar de forma ambientalmente correta, pressionam seus fornecedores a fazerem o mesmo, à medida que exigem produtos mais eficientes e que contenham demais características que causem menor impacto ao ambiente. Todavia, isso não é feito de forma absolutamente imposta, e sim, através de negociações que atendam a requisitos mínimos de satisfação aos interesses de ambas as partes envolvidas. Tal parceria beneficia os parceiros à medida que faz com que haja melhoria na imagem das organizações e, consequentemente, aumenta as vendas, devido à exploração do mercado crescente e, conseqüente, maior participação de mercado.

Até mesmo os próprios trabalhadores das empresas podem vir a falar mal dela, caso esta não tenha um compromisso para com a sociedade. Atuando, assim, como fiscais em prol de melhorias do padrão de vida da comunidade à sua volta. De outro modo, se uma empresa trata bem os seus funcionários e respeita o meio ambiente, ganha o respeito de seus colaboradores e faz com que eles consumam os seus produtos, façam a propaganda destes para seus amigos e tenha sua produtividade aumentada, a medida que se sentem mais motivados a produzir.

O mesmo descrito acima ocorre com os fornecedores da empresa, se eles têm o conhecimento de que ela produz de forma a trazer maiores benefícios para a sociedade. Assim, cria-se uma corrente em que toda uma cadeira produtiva trabalha de forma a preservar o padrão de vida da sociedade. Indústrias inteiras se modificando, estimulam as outras a também fazerem o mesmo, acarretando, com isso, em melhor desenvolvimento da nação. Mas, como nem todas as organizações e governos estão atentos a tais necessidades, torna-se necessário que muita coisa ainda seja feita, todavia, aqueles que saíram na frente, mostraram o caminho, não só da manutenção e melhoria da natureza, como também, dos seus mercados.


0 Responses to “MARKETING VERDE: UMA NOVA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA AS EMPRESAS”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: